Voltar à página principal

 

Alunos no recreio

Alunos do ano lectivo 2001/2002
nas suas actividades lectivas

Professora

 

Maria Teresa de Almeida Cardoso Canotilho, Professora efectiva na Escola de Freixinho, Freguesia de Freixinho,
concelho de Sernancelhe, nascida em 13 de Março de 1952, natural da Freguesia de Vila da Ponte, concelho de
Sernancelhe e residente no mesmo local com o nº de telef. 254595197.

                   

                                                                   

 

Introdução

 

Para melhor se compreender e poder avaliar as actividades realizadas numa determinada Escola, assim como
 os progressos conseguidos num dado ano pelos seus alunos, é fundamental um conhecimento suficientemente
profundo do contexto onde tal Escola se enquadra.

A Escola do 1º ciclo do Ensino Básico onde a autora lecciona, está situada na Freguesia de Freixinho, Concelho
 de Sernancelhe e Distrito de Viseu.

É uma aldeia relativamente pequena, a população toda se conhece, há bastante emigração, uma grande parte é
constituída por gente idosa, e o principal meio de subsistência é a agricultura.

A sua área é composta por minifúndios, terreno pouco fértil, pouca mecanização, e condições climatéricas adversas.

 

 

Caracterização da Escola e da Comunidade

 

O Edifício Escolar, está situado numa área rural, extremamente pequena, à entrada da povoação, adjacente
 à principal via pública a qual drena o trânsito local e de outras aldeias anexas.

Referira-se que no início do ano escolar de 92/93, a escola encontrou-se em obras de reparação e conservação,
essencialmente pelo estado de degradação do soalho. Simultâneamente foi pintada a sua fachada exterior e o seu
espaço interno; os sanitários e lavabos também sofreram remodelação.

O Edifício é composto por uma sala de aula, possui um pequeno átrio, um pátio de recreio coberto e instalações
sanitárias actualmente em bom estado.

O tipo de escola é plano centenário.

O recinto coberto satisfaz minimamente as necessidades lúdicas e desportivas dos alunos, nos dias chuvosos e frios.

Não há auxiliares de Acção Educativa. Existe apenas uma assalariada trabalhando 1 hora por dia, executando
unicamente funções de limpeza após o termo das aulas.

Relativamente a equipamentos, material didático e áudio-visual, para o apoio à prática pedagógica, existe uma grande
limitação, incapaz de permitir e atingir os objectivos dos Leccionadores e novos programas curriculares.

 O nível sócio-cultural da população é baixo. É extramamente reduzido o contacto com a leitura, notícias ou o cinema.
A televisão é praticamente o único recurso à informação; actividades recreativas e desporto também são escassos.

Em geral, pais e encarregados dos alunos possuem unicamente o 4º ano de escolaridade. Todavia há já alguns pais que
dispõem do ciclo preparatório completo.

O analfabetismo praticamente não existe, dado que a maioria dos pais são jovens.

A Escola funciona em regime normal, das 9h às 12h e das 14h às 16h.

As reuniões do Concelho Escolar eram realizadas todas as primeiras terças-feiras de cada mês; aí se debatia e discutia
o trabalho e experiências de cada um, e aínda iniciativas a tomar desde ao nível burocrático, ao pedagógico.

Os contactos e relações de trabalho com os colegas sempre foram de bom nível técnico, prevalecendo sempre um
bom espírito de camaradagem e colaboração. Deste modo, as várias atitudes e iniciativas de cada elemento, foram sempre
positivamente discutidas e aceites.

Independentemente das reuniões efectivas do Concelho Escolar, outras houve em regime extraordinário, com vista ao
debate de outras actividades, nomeadamente organização e ensaios de festas, ou outras acções de carácter cultural.

No início do ano lectivo houve escassa participação da comunidade na vida da escola, a qual se veio a alterar
notoriamente no decorrer das actividades escolares, após o planeamento e uso de estratégias estudadas e concebidas
pela Professora alunos e comunidade.

 

Relação Pedagógica com os Alunos

 

São bem visíveis as diferenças existentes entre o adulto e a criança nas suas várias facetas, desde o domínio e
nível do pensamento, à sua afectividade e expressão. Em observações atentas e sucessivas dos alunos, foi sempre
possível avaliar e descobrir nestes vários perfis de personalidades, problemas de afectividade e familiares,  possíveis
potencialidades e suas sensibilidades, etc, nunca explorando ou evidencializando vulnerabilidades frágeis.

O ambiente escolar, sempre gerido e direccionado pelo professor foi sempre motivante, não persuasivo, criou
confiança e segurança no aluno, procurou sempre uma boa relação Aluno/Professor, de modo que no final a criança
possuiu um ambiente e aliciação no seu sucesso escolar. O clima de abertura foi simultâneamente participante com
todos embora com respeito mútuo, e todos conhecedores das suas funções e deveres.

O agrado e sedução da matéria dada sempre dependente de vários factores os quais estiveram sempre presentes,
e que variaram em função da idade, grau de maturação, ano escolar, coeficiente de inteligência, sensibilidade do aluno à
matéria em causa, etc., e cujas medidas a adoptadas foram avaliadas individualmente por aluno.

Foi aplicada uma forma de pedagogia activa, onde a aquisição de conhecimentos foi sempre realizada em função do
realismo e factos.

Como atrás foi referido o aluno foi sempre participativo, formulando perguntas, perspectivas e projectos, procurando
nas suas capacidades e inteligência formas de concretizar soluções válidas ou lógicas. 
 

 Voltar à página principal