Voltar à página principal  

                                   Nossa Senhora da Lapa

                                                


       
Um dos cultos mais populares e tradicionais de Portugal é o de Nossa Senhora da Lapa. Diz-se que uma menina pastora, muda, encontrou uma imagem da Virgem nos montes e levou-a para casa. A mãe não ligou à estátua e lançou-a para a lareira. A menina, falando pela primeira vez na vida, pediu à mãe que não queimasse a imagem. Talvez por isso a estátua da Virgem que está no santuário apresente marcas de queimaduras. Outra história ligada a este santuário diz que uma menina entretinha-se a fiar lã enquanto pastoreava os rebanhos quando foi atacada por um enorme lagarto que aterrorizava a região. Para se salvar, atirou os novelos de lã para a boca do monstro tendo este ficado completamente "empanturrado". Levou-o então pela ponta de um fio até casa, onde foi morto e empalhado. E não há dúvida que, entre os muitos ex-votos de peregrinos, há no tecto do santuário um grande "lagarto", embora os mais cépticos digam que ele foi lá posto por um homem para agradecer à Virgem te-lo salvo de um crocodilo na Índia.


      Ao subir a serra da Lapa encontramos um dos mais antigos e famosos santuários portugueses, que atrai peregrinos de todo o país. De facto a capela de Nossa Senhora da Lapa foi construída já no século XVII pelos jesuítas, mas o culto é muito anterior, havendo quem o remeta para o século X, quando as investidas dos mouros fizeram com que a população cristã tenha escondido uma imagem da Virgem numa gruta ou "lapa". Mas histórias, lendas e milagres são o que não falta neste santuário com muitos ex-votos e com uma curiosa passagem entre rochas por onde só se consegue esgueirar quem não cometeu pecados graves.


                                          Outra crença ligada ao santuário de Nossa Senhora da Lapa diz que por esta estreita passagem entre as rochas só se conseguem esgueirar os que não têm pecados graves na consciência.

 

       O santuário foi construído sob a orientação dos Jesuítas. Era, segundo o Abade Moreira "grandioso, com escadaria cavada na rocha viva que alto arco sobrepuja".A igreja compõe-se de duas partes que se completam: o corpo e a capela-mor.
O Santuário guarda na capela-mor o rochedo milagroso com a imagem da Senhora da Lapa. São de salientar tesouros sem conto oferecidos até por reis  e rainhas, a cenografia dos altares da Crucificação e da Morte de S. José, que comovia até lágrimas, a fortíssima atracção do Presépio implantado no rochedo.  O altar de Nossa Senhora da Lapa foi erguido no local onde, segundo a lenda, a pastora Joana encontrou a imagem escondida pelas religiosas. Ali se venera há cerca de quatro séculos, como as multidões da Beira sabem venerar, aquela em quem veêm a luz nas suas trevas e o consolo nas angústias do coração.  Também o  altar da Virgem Adormecida, a Casa dos Milagres, cheia de quadros pintados, balanças pesando meninos de trigo, o lagarto da Lapa, temeroso, preso ao tecto por uma cadeia de ferro, entravam no imaginário de romeiros que enchia de histórias a noite de seus filhos.  A Senhora da Lapa, em Portugal e Santiago de Compostela, na Espanha, chegaram a ser, em tempos, os dois sanctuários mais importantes da Península Ibérica.



                                       

                                                          O Lagarto da Lapa

    Segundo consta, o enorme sardão que já se encontra há muitos anos no Santuário da Lapa, teria vindo da India.
Conta a lenda que um homem da região, que vivia na India, teria sido atacado por um grande caimão. Nesse momento, de grande aflição, o homem teria evocado a Nossa Senhora da Lapa para que lhe desse forças para o poder matar, tendo-o conseguido.
Em sinal de reconhecimento e gratidão pela ajuda, foi trazida a carapaça dorsal e a pele e com estes elementos reconstituiu-se o "bicho" e foi oferecido ao Santuário.
Com o passar dos anos a pele foi comida pela traça enquanto a outra parte se manteve. Mais tarde um devoto, ou simples curioso, lembrou-se de o restaurar, cobrindo a carapaça com uma tela oleada reformando assim uma das singularidades deste Santuário.
A existência do sardão, tem também uma outra explicação, esta originária da sempre fértil imaginação do povo. Assim consta que uma mulher que vinha de um povoado chamado Forca (hoje aldeia de Santo Estevão), a caminho de Quintela com novelos de linho para tecer, a meio da encosta da serra num local que tem como nome " Cova do Lagarto", veio a ser atacada por um enorme sardão de boca aberta para a comer. A mulher, aflita, lembrou-se de apelar à Senhora da Lapa e ocorreu-lhe a ideia de lançar ao monstro os novelos que levava no saco ficando com as pontas dos fios nas mãos. Com os novelos engolidos, a mulher foi puxando os fios o que fez com que engasgassem e levassem à morte, o enorme bicho. Em sinal de gratidão a mulher trouxe o animal para a Lapa.
Esta segunda versão sobre a origem deste ex-voto, sem dúvida menos plausível do que a primeira, pois um sardão (lagarto) deste tamanho dificilmente poderia existir nesta zona, foi no entanto a lhe deu o nome pelo qual é conhecido.

                                                                                                                          Voltar à página principal